sexta-feira, março 18, 2011

Festividades


Mesmo só morando nesta casa nos minutos em que deixa a roupa suja e nos minutos em que recolhe a roupa lavada e passada, o lombo assado no forno, a fruta comprada no fim-de-semana (deixa a tocada, vá lá), os chocolates, sobremesas e bolachas que comprei (são meus e estavam escondidos), consegue dar cabo dos meus nervos com duas palavras e uma só destas singelas acções. Vocês já conhecem a peça. Amor foi coisa que nunca faltou. Até o finado Reggae dedicou-lhe momentos especiais.

Querido papá,

Já deverias ter colocado alguma ordem nesta casa da pradaria.

Ensinado ao meu irmão que isto não é um hotel e a mãe não é criada.

Ter-me posto a andar de uma vez por todas, que se lixe a crise e a repercussão nos prestadores de serviços e, afinal de contas, morar debaixo do viaduto é fofinho. Aliás, teria sido mais um fundamento para ter-me casado com o moço do Porche.

Vendo bem as coisas, deverias ter-me obrigado, papá.

Beijinho e tenta não chorar muito

10 comentários:

A disse...

o teu irmão deve ter sido adoptado do mesmo orfanato que o meu.

Alexandra disse...

Não diria tanto.

Foi o vendedor de tapetes que o cá deixou.

A disse...

no meu caso não creio, a minha mãe diz que eu é que apareci assim lá em casa e que teve pena de mim.

tiagugrilu disse...

Teve, teve... Uma pessoa que te veste assim para o carnaval não tem pena de ti.

Ela adoptou-te só para poder gozar contigo a vida inteira.

Kuka disse...

Eu vejo aqui varias parecencas na relacao que mantenho com o meu irmao.Ele deve ter sido apanhado na rua. De momento nao nos falamos.

Alexandra disse...

Tiagu, quer dizer que no Carnaval foste sempre Zorro?

Kuka, eles vêm todos do mesmo sítio

A disse...

pois é, de paris.

Piston disse...

Chamou?

Lima e Tequilla disse...

Tens um selo com o teu nome no meu blog =)

Alexandra disse...

Lima e Tequilla,

Podemos trocar pela tequilla?

Já são boas horas disso!