quarta-feira, março 25, 2009

Tenho mesmo que partilhar isto


Não sei se significa que tenho poderes intuitivos ou outros que me permitam ver mais além na bola de cristal.

Não sei se quer dizer que vou definhar cedo ou, pelo contrário, muito tarde.

Que sou a reencarnação de Cleópatra.

Que vou casar com um alemão.

Que vou ter um filho hermafrodita.

Mas, quando olho para os relógios,  sobretudo os digitais, são sempre horas "certas" como, por exemplo, 22:22, 15:15, 11:11, 16:16, 8:08.

MEDO.

9 comentários:

Miss G disse...

Horas "certas" nunca me aconteceu, mas quando era mais nova olhava sempre para o relógio às 21:59. Agora, olho às 16h23.
Deve ser o relógio biológico!

Alf disse...

De todas as hipóteses que colocas, ter um filho hermafrodita parece-me a menos má.

Jedi Master Atomic disse...

Isso acontece-me bue todos os dias de manhã. Acerto 95% das vezes nas 8h47 e nas 9h02 (quando não saio logo da cama :P).

Verificação de palavras: "fackba" -> Não quer dizer nada mas soa-me bem....lol

Gi disse...

Aqui há imenso tempo fiz um post também sobre as horas certas; no meu caso, quando ainda nem se podiam agendar posts, calhava escrever posts com horas engraçadas, muitas vezes capicuas.

Penso que disse...

Creeeeeepy!

Comigo o que acontece é os ponteiros do relógio imobilizarem-se quando quero que o tempo passe mais depressa.

Serei normal? :p

Zaahirah disse...

A mim acontece-me imensas vezes mas é com a 1:23 e com as 23:32. É arrepiante, concordo!

Alexandra disse...

Miss G,

Isso também me acontece! Um minuto exacto da hora. Mais medo!

Alf,

Foi o que me pareceu. Casar com um alemão está fora de hipótese.

Jedi,

Bué, bué, buéréré!

Não estás sintonizado.

Gi,

Isso já não... Triste, triste...

Penso que,

Isso também me acontece. Geralmente, é porque a pilha acaba.

Zaahirah,

E se jogarmos no euromilhões a essa hora? Mas só no euromilhões, que os jogos nacionais dão uma bela parcela de impostos.

macaca grava-por-cima disse...

Acontece-me constantemente.
E as 22h22 então... Fogo!!! Pensava que era só eu...

Alexandra disse...

Deviamos ter um grupo de apoio. Com acompanhamento psicológico.