terça-feira, março 17, 2009

Flexi-au-au-bili-ui-ui-dade

Ontem, convencida (e subornada com aulas de surf) por uma amiga, tive o meu primeiro blind date da vida.

Supostamente, um amigo dela que me havia avistado num jantar de aniversário qualquer e "que nunca mais me esqueceu", "Ai, a Alexandra... Tens que me apresentar!".

Passados dois meses, lá me venceu pelo cansaço e acedi ao pedido (Ok, e pelas aulas de surf.)

O rapaz levou-me a jantar, num sítio muito agradável, ambiente a média luz.

Simpático, sem dúvida, a conversa chegou ao ponto inevitável.

- Ai faz dança? Deve ter uma óptima flexibilidade.* - Deixa estupidamente escapar com um sorriso de orelha a orelha.

É inevitável essa admiração masculina pela flexibilidade. Faz parte do imaginário viril, do rol de fantasias passadas de geração em geração, de amigo em amigo, de "mine" em "mine", tremoço em tremoço, de futebolada em futebolada, durante os típicos encontros de male bonding.

Já no ginásio, bastar-me-ia dirigir à zona dos alongamentos, para ver aquelas cabecinhas másculas  seguirem-me com o olhar. Embevecidos, bocas abertas, esquecem os exercícios, fitam cada alongamento com o pensamento longe e os olhos trocados.

Não há homem que não alegue a flexibilidade para fazer parte do top de características femininas apreciadas. Em qualquer conversa entre homens, lá surge a dita flexibilidade. Faz parte dos mitos, das loiras, das mamas.

No entanto, como em muita matéria do foro masculino, tal não passa de isso mesmo. Conversa.

Sim, meus caros, não adianta estrebucharem.

Não adianta mesmo porque perante a dita, perante a existência ao vivo, a cores e a tacto da flexibilidade, das duas uma:

Ou não sabem o que fazer com ela (Flexibilidade de um só não chega. It takes two to tango.).

Ou arrepiam-se perante a sua presença, saem a correr e chamam a mãezinha.

Posto isto e perante o comentário do moço, respondi:

- Tenho, claro! Quer ver? - Então, estico os dedos da mão até formarem uma meia lua, desafiando a formatura óssea.

O sorriso parvo dá lugar a um mais esverdeado e encolhido. Tal e qual ao do PT, quando lhe pedia para me alongar as costas e me sentia as vértebras.

Em seguida, CRAAAACK!- Estalo os dedos um por um ao fechar a mão.

- Agora imagine no resto.- Pisco-lhe o olho.

Depois disto, o jantar não demorou muito.

Presumo que o moço tenha sofrido uma hérnia discal com a demonstração.

*Salvaguardo já que nem por isso. Sou a avó ferrugenta da escola. A providência abonou-me apenas de umas costas, braços e pés muito flexíveis. As pernas, simplesmente, não foram dotadas de dobradiças, pelo que um split é algo que não sai, pelo menos sem oito ou nove caipirinhas e uma visita directa ao hospital. 

20 comentários:

Jedi Master Atomic disse...

"Não há homem que não alegue a flexibilidade para fazer parte do top de características femininas apreciadas. Em qualquer conversa entre homens, lá surge a dita flexibilidade. Faz parte dos mitos, das loiras, das mamas."

Loiras e mamas tudo bem, agora a flexibilidade não é, nem de perto nem de longe um assunto assim tão discutido pelos homens (ver o meu esquema da mente masculina).


"Tenho, claro! Quer ver? - Então, estico os dedos da mão até formarem uma meia lua, desafiando a formatura óssea."

Big deal, para quem lambe o cotovelo e quem puxa o dedo indicador para trás até tocar nas costas da propria mão. Isto conta como flexibilidade? :P


"Em seguida, CRAAAACK!- Estalo os dedos um por um ao fechar a mão."

Fizeste-me lembrar a minha prof. de piano: "Ai não estales os dedos que isso faz-te mal no futuro."


"Agora imagine no resto.- Pisco-lhe o olho."

LOOOOOOOOOOOOOL
Se eu estivesse com alguma rapariga que terminasse a conversa com esta frase, teria naquele momento, ganho um fã até ao fim da vida.

PS: Passaram um jantar inteiro a tratarem-se por "você" ???????????????????? Wierd people !!!!

Mozka Tché Tché disse...

Estranho isto, muito estranho. Deveras bizarro. Flexibilidade é mais aquela de, no pós-coito, dizer "filha, estica-te aí e traz-me um cigarro e o cinzeiro, pois estou muito cansado".

Mozka Tché Tché disse...

Não era nada disso aí em cima que queria dizer mas sim "olha, posso ser um teu blind date?"
hein hein?
Vá lá, grande amigo é prof de windsurf...

Textículos disse...

Só faltou mesmo dares duas voltas ao pescoço!

Alexandra disse...

Jedi,

Discutido talvez não seja mas que apontam todos...

Não. Isso é circo, mesmo.

Um fã ou um stalker?

Sim, é a educação. Também tem a sua piada.


Mozka,

Cigarro e cinzeiro seria flexibilidade tão a mais. Eu seria daquelas que punha um autocolante encarnado na porta.

Ahahaha!

Acho que me fiquei pelos blind dates... Isso, que eu sou corrupta!

Textículos,

Já fiz isso. Está retratado num post algures, já antigo e com barbas. Provavelmente na coluna "Não tentem isto em casa".

Jedi Master Atomic disse...

"Discutido talvez não seja mas que apontam todos..."

Nunca apareceu esse topico em alguma conversa que tenha tido com outros gajos.


"Não. Isso é circo, mesmo."

Não me parece que eles aceitem gajos com cérebro lá.


"Um fã ou um stalker?"

Fã. A não ser que seja alguma miuda rica, nesse caso STALKER.


"Sim, é a educação. Também tem a sua piada."

Ai Q'horror !!! Daqui a um bocado você começa a falar assim, tá a ver? Qué levá um estalo ? Caturreira !!!

Alexandra disse...

Homem,

Falei no geral e não em ti. Todos sabemos que és um caso único.

Essa do circo foi má. Eu não sou fã de circo mas aqueles senhores são do melhor exemplo do multitasking. Não vejo porque é que não haverão de ter cérebro.

Tratar por você não me leva a falar assim. Para além do mais, está demodé.

Não me leve a entrar por outro assunto (ainda hei de escrever sobre isso), que é o quanto os homens adoram tratar uma mulher por você ou por dra. Junte à lista, uns três ou quatro pontos abaixo da flexibilidade.

Jedi Master Atomic disse...

Eu falei da minha experiencia pessoal, mas compreendo a tua generalização.

A boca que mandei para os circos é porque eu desprezo todas as entidades que usam animais para recreação (circos, touradas, etc....).

Eu não devo ser homem, então....lol....devo ser uma coisa, sei lá, tá a ver ?? :P

Mozka Tché Tché disse...

Bolas, nunca está satisfeita. Raio de mulher! Há sempre qq cosinha, sempre!

joao cadela disse...

EO vou comer-te mais cedo ou mais tarde, sabias?

Alexandra disse...

Jedi,

Ok, ok, não stresse!

Eu gosto de animais para recreação. À conta do Reggae já ganhei bom dinheiro.

Mozka,

Mulher e basta!

Anónimo idiota que está com dor de corno, vulgo "João Cadela",

Isso de se fazer passar por outra pessoa é crime. Se acha que está isento de ser descoberto, desengane-se. Vá pela advogada.

De qualquer forma, vá brincar com a crica para outro lado (sim, porque vê-se logo que anda aí mulherzinha (com enfase no "inha") despeitada.

Jedi Master Atomic disse...

Oh Alexandra,

Ali a "cadela" fez-me lembrar o "lobo mau". A proposito, porque é que tens uma boca tão grande? XD

tavguinu disse...

"Ou não sabem o que fazer com ela (Flexibilidade de um só não chega. It takes two to tango.)."

já expliquei isso ao pessoal, ninguém me acredita !

Ainda bem que o jantra correu bem, então se lhe tens falado no tapete... UIIIIIIIIII !

Alexandra disse...

Jedi,

Tão óbvio.

Para comer mais leite condensado.

Tav,

Finalmente, um homem com conhecimento!

Vês, Jedi, os homens falam de flexibidade. Talvez não oiças muito é nas aulas de piano. :-)

Jedi Master Atomic disse...

Queres ver que estou a perder a melhor parte da minha vida e não sei !!!! Tenho que ir já procurar alguem para falar sobre a flexibilidade das miudas. Já estou a ver a conversa:

"Já viste aquela, meu? Dobrava-lhe aquele corpinho todo."

Alexandra disse...

Jedi,

Ou estás a brincar ou caio para o lado a rir. Alguém que lhe explique!!!

Ok, cá vai.

Era uma vez um livro muito antigo escrito por um senhor chamado Vatsyayana. Esse livro reunia vários trabalhos anteriores de uma tradição que procurava aprofundar e aperfeiçoar a técnica Kama. Para além das descrições, era também ilustrado. Muitos o tentaram seguir, mas nem todos foram bem sucedidos porque lhes faltava a FLEXIBILIDADE.

Jedi Master Atomic disse...

Passado este tempo todo, ainda não sabes quando eu estou no gozo???

Alexandra disse...

Gosto sempre de acreditar que és o my little sweet and inocent Jedi.

Jedi Master Atomic disse...

Decompondo a tua frase:

- my: not
- little: 1,78m
- sweet: sometimes
- inocent: long time ago
- Jedi: yes

Tenho que fazer como o outro e colocar um "lol" cada vez que mando uma gozação? :P
Olha que não me apetece nada !!!

Alexandra disse...

Este blogue começa a parecer o Twitter.