sexta-feira, fevereiro 23, 2007

Van Gogh de trazer por casa


Hoje, acordei com uma sensação diferente. Ou o quarto cheirava a mar (facto interessante, dado que ainda me encontro a uns bons kilometrozitos da costa) ou eu estava mais leve, mais feliz, mais apaixonada pela vida.

Puxo as persianas, abro a janela e as nuvens ameaçadoras confirmam-me que não eram os raios de sol que me despertavam tal sensação. Fixo os montes verdejantes já demasiadamente salpicados pela construção humana, viro-me para o meu cavalete e… “É isso! Vou pintar!”. Ansiosa, despacho o trabalho de manhã e reservo a tarde para uma bela sessão de pintura.

Remexo os CD’s empilhados ao acaso, escolho Zero Seven e ligo a aparelhagem. Embriagada pelas diferentes matizes, formas e volumes que me rodeiam, retiro do armário o estojo de pintura a óleo. Abrir aquela caixa de madeira robusta relembra-me o prazer que tive aos quatro anos, na noite de Natal, ao desembrulhar um pequeno mas muito esperado estojo de aguarelas. Preparo uma tela branca, fixo-a no cavalete, retiro a paleta e escolho cuidadosamente os pincéis e uma espátula de ponta redonda. Encho um godé duplo com óleo de linhaça e terebintina – “não esquecer a regra gordo sobre magro” - recordo, olho a medo para o secante de cobalto e resolvo deixá-lo de parte.

Coloco uma esponja e um pano a jeito, protejo o chão do quarto com folhas de jornal (para não ouvir as habituais queixas, pela enésima vez) e debruço-me sobre os pequenos tubos de tinta, perfeitamente alinhados por ordem cromática. “Ora bem, branco titânio, amarelo cádmio, amarelo ocre, laranja carne, vermelho cádmio, carmim, laca magenta, azul cobalto, azul turquesa, azul da Prússia, terra verde, marron de garança, terra siena natural, gris de payne, violeta escuro… preto marfim… Mas o que é que eu vou fazer?”

Boa pergunta. Fiquei a pensar nela durante a tarde inteira. Dei voltas e voltas. Lembrei-me de tudo e mais alguma coisa mas nada me despertava. Lá para as vinte horas, guardei as tintas, a paleta, os godés, os óleos e terebintina, embrulhei os pincéis, dando especial atenção aos de pêlo de marta. Tudo com a mesma reverência mas zero alento.

Esta noite, quando me deitar, VOU REZAR para que, para a próxima vez que for bafejada com desejos de pintar, ao menos que também seja iluminada com uma ideia concreta do que fazer!

8 comentários:

Jorge disse...

Com que então...
Cineasta não mas pintora, sim.

Alexandra disse...

Estou com alguns ditos escritores que por aí andam... Há anos para pintar a minha grande tela!

Jorge disse...

Faz como a Carolina Salgado, contrata alguém para fazer a tua grande obra. Talvez um trolha.

Alexandra disse...

Boa! Depois tiro umas fotos toda olheirenta e de cabelo seboso, com ar de cão abandonado, para o lançamento e ganho umas belas massas!

Jorge disse...

Mesmo assim ficavas bonita. Sabes que o cancro (solário) dá-te uma aparência muito saudável.

marta r disse...

Que bela maneira de passar a tarde. Com ou sem inspiração.

Picas disse...

Estamos à espera de um post póstumo (às telas acabadas)... Com imagens, pois está claro!

Alexandra disse...

Uiiii! Por este andar... Por enquanto ainda só posso revelar os belos esboços que fazia aos cinco anos...